Livro-Caixa de 1921

Controle financeiro de algum armazém de Belém em 1921 (clique no livro para folheá-lo) 

Conheça o que alguns ilustres moradores do bairro consumiam naquela época. O livro, que está completo e traz o nome de vários clientes que hoje dão nomes às ruas de Belém Novo, tem um "irmão" dez anos mais novo, datando de 1902. Esse, de tão velho, talvez nem consigamos publicar aqui, mas torcemos para que um dia integre o acervo de um verdadeiro museu do bairro. Mesmo esse de 1921 exigiu grandes cuidados com o manuseio. Por isso neste site apresentamos apenas três de suas páginas, que demonstram parte do cotidiano de um consumidor quase um século atrás. O material, gentilmente e cuidadosamente emprestado pelo "Wilbor", contém outras páginas com antepassados de muitos moradores do bairro, que devido às dificuldades técnicas apontadas anteriormente, não constam neste material eletrônico. Mas anotamos alguns nomes para que você os conheça ou identifique:
  • Antonio Só (sogro do Trajano)
  • Julio Francisco de Oliveira (pai do Pituca, pai do Julião)
  • Sincio Francisco de Oliveira (avô do Pituca, bisavô do Julião)
  • Arlindo F. Moreira (pai do Tio Dino; também comprava como “pessoa jurídica”, em nome de “Canoa Tulipa”)
  • Arlindo F. Moreira
  • Narcizo Francisco da Silva (sogro da Dna. Anair)
  • Hugo Braier (seria um Breyer escrito de outra forma?)
  • Idalina Francisca da Silva (Tia Zeca)
  • Canoa Ligeira (“pessoa jurídica” do Malaquia)
  • Hildebrano N. da Silva (irmão por parte de pai da Dna. Anair)
  • Antonio Francisco de Souza (Cutia)
  • Francelino A. dos Santos (marido da Tia Moça)
  • Irineu F. S. Silva (Tio Irineu)
Repare que algumas contas eram abertas por empresas da época, como os barcos de pesca.

2 Responses to Livro-Caixa de 1921

  1. Adriana Neves disse:

    Caros, bom dia!
    Sou estudande de Arquitetura da PUCRS e estou fazendo uma pesquisa sobre um casarão antigo localizado ao bairro Lami. Esta casa pertence á família Bernardes (sobrenome muito conhecido no extremo sul de Porto Alegre). O mativo de meu contato é para saber se vocês tem algum registro, achado, fotos de pessoas, imóveis e outros sobre esta família, pois antigamente, o Lami e Belém Novo eram tidos como 7º distrito de POA e eles tinham outras casas espalhadas pelo Belém Novo. Por consequência, considerados uma região só. Um dos nomes muito conhecidos é Luiz Vieira Bernardes (dono deste casarão que pesquiso)e seu irmão, José Joaquim Bernardes. Filhos de Marcilio José Bernardes e Margarida Vieira de Aguiar. Como estou pesquisando sobre a casa, a história da família também vem à tona.

    Desde já agradeço e aguardo contato

  2. Adm disse:

    Oi Adriana,
    Vou perguntar ao pessoal “das antigas” de Belém e tentar te responder por e-mail ou aqui pelo site, ok?
    Abraço,
    Renato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *